ENTREVISTA:  Prefeita  Marília Campos

ENTREVISTA: Prefeita Marília Campos

Em 30 de agosto de 2021, Contagem comemora 110 anos, tendo à frente da Prefeitura, mais uma vez, Marília Campos, a ‘prefeita do centenário’. Nesta edição,

a Revista Viva Grande BH traz um bate papo com a chefe do Executivo de Contagem, fazendo um balanço de como era a cidade na época do centenário (2011, quando Contagem completou 100 anos

de emancipação), como estamos atualmente e quais as perspectivas para o futuro.

Por Camila Martucheli

Os oito anos nos quais a prefeita Marília Campos esteve à frente da Prefeitura foram marcados por muitas conquistas para os contagenses. A praça Nossa Senhora da Glória, no Eldorado e a praça Tancredo Neves, na Sede, por exemplo, foram requalificadas e ganharam cascatas. Viraram atrativos cartões postais, atraindo as famílias para atividades de lazer e cultura. As luzes de Natal traziam visitantes de outros lugares, que se encantavam com o espetáculo de cores.

Uma das obras importantes de sua gestão foram as obras viárias do Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental do Ribeirão Arruda – PAC Arrudas. Intervenções fundamentais para melhorar a qualidade de vida na região Industrial foram feitas em parceria que envolveu os governos federal e estadual e as prefeituras de BH e Contagem. Outro marco de sua passagem pelo executivo foi o túnel da integração, ligando a Ressaca ao Eldorado, intervenção que era esperada há mais de 30 anos.

Marília reconstruiu a cidade e a Prefeitura como instituição. Também cuidou das pessoas, resgatou a cidadania, ajudou a construir uma cultura de direitos e deveres e incentivou a participação popular. Nunca aceitou a imposição cultural de que o município fosse a periferia da Capital e governou para todos e para todas as regiões da cidade.

Primeira mulher a conquistar a Prefeitura e a única a ser reeleita para um segundo mandato, ela deixou a administração com mais de 72% de aprovação popular. Nos anos seguintes, elegeu-se por duas vezes deputada estadual, com ampla votação no município e em 2020 voltou a vencer pela terceira vez a disputa que a tornou a chefe do executivo para o quadriênio 2021 a 2024.

De acordo com os principais avanços realizados em sua antiga gestão, o que será possível avançar em um futuro próximo a fim de garantirmos uma Contagem melhor para seus moradores?

Em meu mandato, de 2005 a 2012, a gente teve vários avanços, dentre eles a redução do endividamento da Prefeitura, que de 127% da receita passou para 47%, como também conquistamos os recursos que viabilizaram as obras do Sistema Integrado de Mobilidade Urbana – SIM e de macrodrenagem, que estão sendo executadas agora. Grande parte destes investimentos aplicados atualmente são originários do PAC 1, de 2007, do PAC 2, de 2010, e do PAC mobilidade urbana das cidades médias, de 2012.

Em relação às intervenções de macrodrenagem do córrego Ferrugem, conquistamos a viabilidade das obras por meio de minha articulação junto à Prefeitura de Belo Horizonte e ao governo do Estado. Logo no segundo mês de gestão, procurei o prefeito Alexandre Kalil e o governador Romeu Zema e solicitei a eles a unidade para darmos andamento às obras de contenção de enchentes, que estavam paralisadas.

Após várias reuniões e a criação de um Comitê Gestor, composto por representantes de Contagem, BH e do Estado, conseguimos os recursos provenientes do Termo de Reparação de Medidas do Estado com a mineradora Vale para que as obras continuassem.

Então, atualmente, estamos dando continuidade àquilo que conquistamos em nossos mandatos anteriores com a visão de preparar a nossa cidade para o futuro.

Para a retomada das obras, tivemos o cuidado de revisar os contratos, renegociar com as empresas e estamos fazendo um ajuste financeiro para promover o equilíbrio fiscal e dar andamento às obras que estavam paradas. Articulamos com todos os setores e promovemos a participação popular, trazendo a comunidade para acompanhar de perto o andamento das intervenções, por meio do diálogo e da formação de Comissões de Acompanhamento das Obras.

O nosso plano de investimentos em andamento é centrado em mobilidade urbana, mas também em obras de urbanização e obras sociais, com a construção de novas unidades de saúde e Cemeis.

A senhora assumiu a Prefeitura de Contagem no meio de uma grave crise sanitária e econômica, em virtude da pandemia da Covid-19. Imagino que tenha planos a curtíssimo prazo para sanar os problemas que estão nos afligindo, como o desemprego, a defasagem na educação (em virtude das aulas remotas), queda na arrecadação, entre outros.

Estamos trabalhando muito para garantir o desenvolvimento econômico da cidade.  Várias iniciativas estão sendo implementadas pelo nosso governo, em conjunto com ações de enfrentamento à pandemia da Covid-19.  Os desafios são muitos, mas desde o início da gestão a gente iniciou um trabalho sério e comprometido com a nossa população e a nossa cidade.

Entre os meses de abril e maio, foram realizadas 22 reuniões de planejamento estratégico com todas as secretarias, no intuito de discutirmos o planejamento de cada uma, a implementação de políticas públicas, a retomada de obras, a valorização dos servidores, a necessidade de revisão de contratos, o enxugamento de despesas, além da modernização da Prefeitura por meio do Governo Digital. Criamos também os Comitês de Políticas Públicas, que buscam a integração de atividades que estão separadas em secretarias, mas que precisam ser planejadas conjuntamente.

Então, nestes seis primeiros meses de governo, a gente tem criado uma agenda política e social prioritária para superar os desafios impostos pela pandemia. Como medidas emergenciais, intensificamos a vacinação em massa contra a Covid-19 no município. Aqui em Contagem é assim: à medida que a vacina chega, ela é aplicada!

Estamos realizando mutirões de vacinação, além de conduzir com transparência a divulgação dos dados epidemiológicos que, neste momento, começam a mostrar o controle da pandemia em nosso município.  Demos continuidade ao auxílio merenda, um programa de renda mínima vinculado à educação. Também estamos fazendo um retorno à escola, planejado, seguro, gradual e facultativo. Foi adotado o modelo híbrido (presencial/ remoto) e preparamos um cronograma para o retorno à escola e protocolos sanitários para a comunidade escolar.

Na área econômica, como já disse, retomamos os investimentos e as obras na cidade e estamos estimulando a geração de emprego e renda pelas empresas, comércios e serviços com divulgação das vagas pelo Sine Contagem. Também estamos visitando várias empresas, formando novas parcerias para atração de negócios, como também para a criação de vagas de emprego.

Na assistência social, várias frentes foram tomadas. Investimos nas políticas públicas assistenciais de enfrentamento à fome com o fortalecimento de nossa Rede Municipal de Assistência Social. Destacam-se a criação de campanhas de solidariedade, junto com a comunidade e o setor empresarial, para a arrecadação de alimentos e cestas básicas que são distribuídas diariamente pelo nosso Banco de Alimentos às pessoas em vulnerabilidade social.

Também reestruturamos os nossos restaurantes populares e aumentamos a quantidade diária de refeições servidas. O nosso Restaurante Popular de Nova Contagem passou a servir o jantar a R$1,00. Essa foi uma coisa muito boa e importante na segurança alimentar neste momento de crise sanitária.

Estamos garantindo a manutenção e capina da cidade, com a ampliação das equipes e criamos um pacote de benefícios que dá início a nossa política de justiça tributária, com descontos de 20% no IPTU residencial, de 20% a 50% no IPTU comercial, além de facilitar para os contagenses a renegociação de dívidas de impostos em atraso com o município. O contribuinte pode quitar suas dívidas em até 60 parcelas sem juros, multas e correções. Enviamos em julho à Câmara Municipal o Projeto de Lei Complementar 04/2021, que trata da justiça tributária aplicada ao IPTU e a outros tributos. Estamos cumprindo os nossos compromissos com a nossa gente.

Contagem já vinha vivenciando a ‘fuga’ das indústrias para outras cidades que garantiam melhores incentivos, entre outros aspectos. Com a pandemia, a situação acabou se agravando. Quais os planos para retomar o velho título de Contagem: ‘cidade industrial’?

 

A economia é o motor que faz a cidade andar, crescer e se desenvolver. Com ela indo bem, todos os setores terão avanços. Contagem é uma cidade muito potente, tem uma atividade econômica diversa, uma arrecadação muito importante.

A gente não sobrevive apenas de repasses dos governos federal e estadual, temos arrecadação própria. A cidade julgou que eu era a melhor opção para promover uma arrumação da casa. Hoje, um dos nossos objetivos é garantir que a cidade fique melhor do ponto de vista econômico e social e que tenhamos investimentos nas políticas sociais como saúde, educação, assistência, dentre outras.

Queremos uma cidade mais bonita e mais justa para todos. É nesta perspectiva que a gente trabalha.  Então, a gente tem promovido uma força-tarefa para que o município possa continuar avançando, mesmo em um cenário pandêmico.

Temos, hoje, investimentos na ordem de R$ 500 milhões para garantir obras de mobilidade urbana, saúde, educação, dentre outras. Com os recursos liberados pelo Estado, por meio do acordo com a mineradora Vale, para concluir as obras do córrego Ferrugem e evitar as enchentes, teremos investimentos de R$ 98 milhões para garantir que a vida não esteja sempre ameaçada. Queremos garantir o desenvolvimento econômico e o fortalecimento das políticas públicas na cidade.

Desta forma, foi muito importante termos adotado o diálogo com a área econômica para enfrentar a pandemia, permitindo o funcionamento das atividades comerciais.  Com isso, a população e as diversas lideranças do município e os segmentos assumiram o compromisso do “Pacto pela Vida”, que é cumprir os protocolos sanitários para impedir a proliferação da Covid-19 em Contagem.

O nosso governo é o governo do diálogo. A nossa prioridade é dar continuidade a esta articulação com os setores produtivos. Também estamos elaborando um plano de ação para revitalizar todos os distritos industriais que vem se deteriorando ao longo dos anos. Queremos fortalecer os empreendimentos já instalados no município e promover a atração de novos. Outra prioridade será a desburocratização dos licenciamentos e da emissão de alvarás, favorecendo substancialmente a fixação e a atração de novos negócios para a cidade. E em todos os setores. Contagem não é mais apenas uma ‘cidade industrial’. O comércio e o setor de serviços cresceram e geram emprego e renda. Vamos seguir avançando.

A informalidade cresceu nesta pandemia, especialmente em virtude do aumento do desemprego. Temos na cidade importantes espaços de comércio popular, as feiras, como a dos bairros Eldorado, Amazonas e Ressaca, entre outros. Como resolver o impasse de muitos trabalhadores que trabalham de forma ‘irregular’, mas dependem desse trabalho para sobreviver e cuidar de suas famílias?

Este é um problema que tem afetado não só a população de Contagem, mas todas as cidades brasileiras. Estamos atentos aos desafios econômicos impostos pela pandemia, por isso, buscamos estimular as políticas de empregabilidade e atenção socioassistencial como formas efetivas de promoção humana.

Avaliando a crise sanitária que passamos, é importante promover empregos, trabalhos e renda. Uma de nossas propostas é estimular a economia local, por meio das feiras da Economia Solidária. A gente quer levá-las para vários pontos da cidade. A feira se enquadra nesse planejamento, que está sendo feito de forma organizada e que ajudarão muitas famílias em Contagem. Outra coisa importante. Dialogamos muito com os feirantes do camelódromo e modificamos o projeto anterior, que os retirava do local, para que eles permaneçam no Boulevard da rua Portugal, no Eldorado. Mais de 500 empregos diretos e indiretos serão mantidos.

Aqueles que estão sendo afetados de forma mais veemente pela pandemia, orientamos que procurem o Centro de Referência da Assistência Social (Creas). A gente tem também estimulado a regularização de profissionais autônomos por meio do Centro de Integração Social, onde funciona o Sine. Aos poucos, com o esforço de todos e todas, vamos conseguindo voltar gradualmente com as atividades econômicas da cidade e fortalecer a economia local.

Em relação à educação, como a Prefeitura de Contagem pretende contornar o déficit de aprendizado dos alunos das escolas municipais em virtude das aulas remotas, as quais nem todos tiveram a mesma condição de acesso?

Desde o início do mandato, estamos trabalhando para o retorno presencial dos alunos à escola. O nosso governo tem feito um grande esforço para manter a educação em funcionamento neste período de pandemia e atender a toda comunidade escolar. Como as aulas presenciais foram proibidas em Contagem em março de 2020, adotamos, inicialmente, o ensino remoto com o uso de plataformas digitais, aplicativos de mensagens e material didático fornecido pela escola para os estudantes sem acesso à internet.

Logo no começo do ano, convocamos os gestores, diretores, pedagogos e professores, em regime de teletrabalho, a realizarem o planejamento das atividades pedagógicas do ano letivo. Oferecemos a eles cursos de formação tecnológica e elaboramos o “Trilha do Saber”, documento orientador para o planejamento de atividades remotas.

Agora, com a volta gradual e facultativa das atividades presenciais, que tiveram início neste mês de agosto, seguindo um cronograma específico, fizemos investimentos de mais de R$ 73 milhões, preparando a volta à escola segura, com inovação e diferente. Fizemos melhorias na infraestrutura das escolas; a preparação dos nossos educadores e educadoras e do corpo pedagógico; a entrega de computadores e de pacote de dados; melhoria da internet; dentre outras ações.

Todas as medidas sanitárias foram tomadas, após ampla discussão com a comunidade escolar. Fizemos um protocolo que foi devidamente divulgado em nossas redes de comunicação.

Antecipamos a vacinação da segunda dose do imunizante da AstraZeneca para os educadores e estamos disponibilizando para os educadores álcool gel, máscaras, face shields (protetores faciais), além de orientações para a higienização e cuidados com o ambiente, salas de aula, refeitórios, espaços coletivos, sanitários, salas de aula, biblioteca, equipamentos e transporte escolar, entre outros. Tudo para que o retorno presencial à escola seja seguro, com qualidade e inovação. E para que as perdas causadas pela pandemia sejam minimizadas.

A preocupação com o meio ambiente e a economia circular é um tema amplamente discutido e ações têm sido tomadas em grandes cidades em todo o mundo para lidar com a grande geração de lixo e o correto destino de reciclados. Há planos futuros, em curto, médio ou longo prazo para se implementar a coleta seletiva de forma mais abrangente na cidade? Assim como o reaproveitamento de matérias que podem ser reciclados.

Acredito que a cidade limpa é aquela que menos se suja, por isso estamos trabalhando para conscientizar a nossa população e levá-la a repensar e reduzir a produção de lixo, como também investir na reciclagem.

O nosso aterro sanitário tem prazo de vida útil. E terá mais tempo se for colocado menos lixo nele. Com isso, ações de sustentabilidade e de reciclagem tornam-se primordiais. Quanto mWais ampliarmos a coleta seletiva, mais aumentará o prazo de sobrevivência do aterro, que é modelo para Região Metropolitana de BH.

Em Contagem, a coleta seletiva está avançando e estamos trabalhando para equalizar o serviço e ampliá-lo nas regiões. Hoje, a gente alcWança 20% da população da cidade, com a coleta em 39 bairros. E, agora, a partir de agosto, temos planos de expansão para mais 15 bairros. A nossa coleta é realizada uma vez por semana e, diariamente, cerca de 7,5 toneladas de resíduos são recolhidas. A região Sede é a que conta com um serviço de reciclagem mais abrangente.

Também já estamos com um projeto pronto para a implantação de uma usina de reciclagem da construção civil e também para tornar os nossos Ecopontos (locais de depósito de entulhos) como um local de seleção e reciclagem de materiais. Hoje, eles ainda não têm essa função.

Outra proposta é fazer um trabalho de conscientização para que as pessoas possam consumir menos e produzir menos resíduos, como também reciclar o lixo que produzem.  Queremos uma sociedade mais sustentável!

Muita gente acha que o espaço público é de ninguém. Temos que modificar também essa cultura e mostrar a importância da preservação do meio ambiente. O cuidado de uma cidade não depende apenas do poder público, mas da colaboração de todos e todas.

Pensando em um futuro a curto prazo, quais os planos da Prefeitura para reabrir 100% a cidade, após a vacinação em massa? Haverá algum tipo de controle?

Creio que os desafios impostos pela pandemia continuarão a ser enfrentados na pós-pandemia.  A gente vai estar vigilante e trabalhando de forma preventiva para garantir o controle das crises sanitária e econômica. Como estamos fazendo agora!

As nossas ações serão norteadas pelos dados epidemiológicos e à medida que a população for sendo vacinada em massa e os índices de ocupação de leitos e transmissão do vírus forem abaixando, estudaremos as possibilidades de flexibilização.

E, tudo isso, continuará a ser construído em ação conjunta com os nossos setores produtivos, por meio do diálogo. O nosso “Pacto pela Vida” continua. Junto com os comerciantes, empresários, lideranças comunitárias, políticas e religiosas, autoridades municipais, os diversos segmentos e a população de Contagem, encontraremos as soluções necessárias para cada etapa de enfrentamento à crise sanitária.

A gente trabalha usando sempre o bom senso. E tudo que mais quero é garantir que a nossa população de Contagem volte à vida normal de forma segura e que ocupe os espaços públicos, as praças e retome o convívio social.

Considerando o governo federal e estadual, como o governo municipal tem trabalhado para garantir os recursos necessários para investir na cidade?

Acredito que a democracia é a solução encontrada nas sociedades modernas para que diferentes interesses, ideologias e opiniões possam conviver pacificamente no dia a dia. Independente das divergências partidárias, temos tido um bom relacionamento com todas as esferas de governo. Um tratamento republicano, como tem que ser. Temos mantido uma relação de respeito e diálogo com o nosso legislativo e, também, de consenso em torno dos projetos de lei e da construção de políticas públicas para a nossa cidade.

Temos recebido em nosso gabinete deputados estaduais e federais, buscado com eles, por meio das emendas parlamentares, investimentos em todas as áreas. Também temos mantido uma boa articulação com o governo do Estado, e fomos bem recebidos pelo governador Romeu Zema e seus secretários, conquistando importantes obras, projetos e investimentos para a cidade, como por exemplo, as obras de macrodrenagem do córrego Ferrugem e os investimentos e a reabertura do Parque Fernão Dias.

Também estivemos recentemente em Brasília, onde reunimos com o presidente do Senado, o senador Rodrigo Pacheco, em que apresentei solicitações importantes para Contagem, inclusive para as áreas da saúde, meio ambiente e infraestrutura urbana.

Na mesma agenda em Brasília, reuni com representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT) e com os ministérios do Desenvolvimento Regional e da Cidadania. Temos mantido uma relação cordial e republicana para garantir investimentos necessários para Contagem. Também temos articulado várias ações com os prefeitos de cidades da região metropolitana. Hoje, além de prefeita de Contagem, sou vice-presidenta da Granbel (Associação dos Municípios da Região Metropolitana de BH) e vice-presidenta de Políticas Sociais da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

Qual a sua perspectiva para o futuro de Contagem nos próximos três a sete anos? Acredita que vamos superar a crise instaurada? Como avalia que será a nossa realidade, enquanto população contagense neste período vindouro?

Queremos uma cidade cada dia melhor para todos e todas. O nosso desejo é fazer uma gestão focada nas necessidades da nossa população. Nossa prioridade é dar continuidade às obras para garantir os investimentos para a cidade.

A segunda prioridade é garantir o fortalecimento da saúde.  Pretendemos investir na atenção básica, inclusive para tirar a sobrecarga da área hospitalar, na área de urgência e emergência.

Também é nossa prioridade investir no fortalecimento da atividade econômica do município. Para nós é uma questão crucial promover investimentos e concluir as obras que estavam paradas para garantir melhor qualidade de vida, trânsito mais rápido, além de renda e emprego para a nossa população.  É neste sentido que fomos ousados no enfrentamento à pandemia e compartilhamos com a atividade econômica a responsabilidade de combater o novo coronavírus para garantir o funcionamento das atividades comerciais em vários segmentos.

Acredito que com a vacinação em massa, conseguiremos reduzir a incidência da Covid-19. Queremos que a nossa vida volte ao normal, para que possamos andar tranquilos pela nossa cidade e interagir com as pessoas. Queremos uma cidade mais bonita, humana, agradável para se viver, que as pessoas se sintam bem e tenham orgulho de viver aqui em Contagem. Queremos que os contagenses felizes de novo e estamos trabalhando muito para que isso seja realidade.

VivaOnline

Matérias Relacionadas